História da Árvore

O tronco da árvore simboliza a era do paraíso, que emerge daquela Semente perfeita – a idade de ouro antes da história registrada, quando há unidade de crença, cultura, linguagem e governança; o período de uma civilização perfeita, quando não há diferença entre a teoria e a prática de uma vida harmoniosa. As pessoas em tal época não carecem de nada e são completamente preenchidas.

A proximidade entre o tronco e a semente simboliza como as almas naquela época personificam as qualidades de Deus, vivendo com base nos princípios da verdade e da sabedoria. Prevalecia a verdade maior de que somos almas e não corpos. Tais almas são lembradas em histórias e lendas como ‘deuses’ e ‘deusas’, mas são poucos os que ainda compreendem que tais seres divinos em algum momento andaram sobre a terra...


Crescimento e supercrescimento

Conforme a árvore cresce, seu tronco naturalmente se expande em tamanho. Similarmente, a população humana se expande. Mais ‘folhas’ (almas humanas) aparecem na árvore. Elas descem do mundo das almas para desempenhar seus papéis na terra. Assim como as folhas naturalmente mudam seu estado de ‘botão’ e começam a se abrir, as divindades se abrem para um maior envolvimento com o mundo físico e interesse com o corpo físico – o templo da alma. Completamente inocentes ao fato de que perdem a consciência de sua verdadeira identidade – a alma em si – elas também perdem contato com sua natureza original de pureza, paz e verdade.

Paraíso perdido

Essa mudança na consciência traz um declínio marcante em termos de poder, pureza e da habilidade de discernir o certo do errado. Perde-se a divinidade. O paraíso é perdido. Gradualmente, há outra experiência diferente da paz e da felicidade. Gradualmente há sentimentos que são estranhos e desconfortáveis, incômodos e falsos. Esses ‘insetos’ corroem muitas folhas, e as ações humanas tornam-se motivadas por demandas crescentes por posses, prosperidade, posição e poder. Não mais como mestres de si, as almas tornam-se escravas de seus desejos.

Novos galhos emergem

Conforme a unidade do tronco perde sua integridade, as mentes começam a buscar pela verdade e os corações anseiam por conforto. A memória de Deus, a Semente, ressurge a partir do fundo da psique humana. Isso intensifica a busca pela verdade. Em resposta a isso, grandes almas profetas, uma a uma, começam a vir – Abraão, Buda, Cristo e Maomé – respectivamente, trazendo mensagens de um retorno à corretibilidade, à consciência, à esperança, ao perdão e à unidade. Cada alma profeta estabelece o galho poderoso de uma grande religião na Árvore da Família Humana. Os ideais sobre a lei, a iluminação, o amor e a rendição agora se manifestam como as principais diferenças em suas abordagens.

Caos e confusão

Muitas folhas novas emergem nos galhos, conforme a família humana aumenta drasticamente em tamanho. Passa a haver caos e confusão conforme a busca pela autorrealização e pela verdade origina crenças e modos de pensar divergentes. Cada galho principal diversifica-se em ramos e galhinhos. Enquanto isso, dentro do tronco principal da humanidade, acontece a adoração da natureza e de seres humanos como gurus. A família humana está agora dividida por cor, raça, religião e ideologia, com sua crescente disfunção retratada no aumento nas calamidades naturais, doenças mentais e físicas, pobreza e morte súbita.

A árvore alcança seu limite de crescimento

Em meio a essa falta de paz continuamente crescente, mais e mais pessoas se voltam para Deus. Mas, ao não saberem quem Ele realmente é ou o que Ele faz, elas são incapazes de encontrá-Lo e, portanto, aumenta a dúvida sobre a existência Dele.

A busca pela verdade tende a focar-se exclusivamente em aspectos físicos, dando origem a avanços impressionantes na ciência e tecnologia. Rapidamente, a fé na veracidade e no poder da ciência se prolifera, enquanto a religião e a filosofia tornam-se materialistas e politizadas. Dentre os galhos, a fé torna-se fundamentalista. Aqueles que aderem de forma obstinada às crenças tradicionais sentem-se compelidos a defender violentamente seus pontos de vista. A religião, a língua e a cultura se afastaram muito de suas raízes divinas.

A árvore alcança o limite de seu crescimento. Suas raízes estão em um estado de decadência, seu tronco mal pode ser visto no confuso emaranhado de galhos decaídos. Cada alma se agarra de forma impotente como uma pobre folha no galho de uma árvore no inverno.

Deus, a Semente, regenera a árvore

Antes que a velha vida morra, nova vida é provida pela Semente, o Criador da árvore. Deus, a Semente da Árvore da Família Humana, revela como a árvore pode ser novamente o que já foi. Despertadas pelo advento desta Semente e recebendo força e sustento ao estabelecer um relacionamento renovado com o Único, as almas humanas tornam-se novas raízes, a fundação, a partir da qual uma nova muda pode emergir. Começa a regeneração da Família Humana.

Medite profundamente, visualizando-se como uma alma raiz, sentada próxima a Deus, a Semente de nossa Família Humana. Receba da Semente a essência eterna de tudo que pode ser alcançado na vida. Permaneça sob o toldo do conhecimento de nossa Árvore da Família Humana e todos os seus desejos puros serão preenchidos.

Navegue nesta sessão